Revista Viração (maio/2013)

Caxias TV: O mais novo meio comunitário da Baixada Fluminense

A TV surgiu depois das aulas sobre ‘Cultura Digital’ realizadas no ano passado em Caxias, Rio de Janeiro

Por Gizele Martins
Revista Viração

caxias tv comunitaria arthur williamDivulgar a cena cultural da Baixada Fluminense é um dos objetivos de uma galera bem criativa e animada que está fazendo acontecer o mais novo meio comunitário da região, ‘Caxias TV’. São aproximadamente 25 pessoas, entre moradores de Caxias e de outros locais do estado.

O coletivo surgiu depois do ‘Caxias Cultura Digital’, curso gratuito que funcionou durante o segundo semestre do ano passado na Lira de Ouro, organização cultural que existe há mais de cinco décadas em Caxias. Neste curso que durou um pouco mais de quatro meses, passaram aproximadamente 70 alunos, e a maioria deles eram moradores da Baixada Fluminense.

Arthur William, jornalista morador de Caxias e idealizador do curso, detalha como surgiu a tv comunitária, “Os alunos começaram a transmitir eventos como um laboratório. Depois surgiu a ideia de criar a Caxias TV. E este é um grupo diverso, ele é formado por cartunistas, comunicadores, alguns participam do ‘Mate com Angu’, entre outros”, falou.

De acordo com Lu Brasil, também moradora de Caxias, o interesse pelo conteúdo dado nas aulas de ‘Cultura Digital’ fez com que o grupo procurasse a querer aprender na prática. “O interesse pelo conteúdo e a fome de trocar ideias sobre este advento das novas tecnologias fez com que alguns alunos permanecessem. Tivemos a nossa primeira transmissão como experimento na própria Lira de Ouro. O ano de 2013 chegou e novas formas de transmissões foram surgindo”, disse.

No dia 01 de janeiro, por exemplo, este grupo de 25 pessoas, mas que envolvidos com o trabalho de transmissão somam 10, transmitiu ao vivo a posse do novo Prefeito de Caxias, o que nenhuma outra emissora fez. O que bombou, pois além da transmissão, eles tiraram fotos, fizeram matérias e entrevistas e colocaram no site do meio comunitário. E esta é uma prática feita em todos os eventos que esta galera cobre.

As sugestões de coberturas são feitas não só pelos participantes do Caxias TV, mas também por moradores. Amaro Daflon, outro morador de Caxias e um dos participantes do mais novo meio comunitário, fala sobre outros eventos que eles já cobriram. “Já cobrimos shows de rock, eventos beneficentes e até manifestações religiosas. Nosso foco é gerar conteúdo multimídia de acordo com elementos pertinentes à realidade do morador de nosso município. As sugestões de coberturas vêm dos organizadores de eventos, dos moradores e de pessoas do próprio grupo”.

Adriana Ornelas, moradora de Bangu e que também faz parte da TV, diz como é prazeroso participar do grupo. “É uma tv comunitária, ninguém recebe nada para compor a equipe, só ganhamos experiência ao longo dos eventos, e que outras possam nascer a partir desta ideia”.

Segundo Arthur, de equipamentos simples como um celular dá para transformá-lo em um grande meio comunitário. E esta experiência já está sendo passada para outros lugares do Rio. “O Jornal O Cidadão, do Conjunto de Favelas da Maré, e as turmas do Núcleo Piratininga de Comunicação, por exemplo, já compraram também os seus equipamentos e já estão transmitindo eventos, debates e aulas. E a ideia é esta, de um ajudar o outro, o objetivo é fazer esta rede crescer.”, afirmou.

Ainda de acordo com Arthur, o conhecimento tem que ser livre, “A comunicação é um direito humano. A Caxias TV vive de doações dos próprios participantes, mas os nossos meios comunitários devem lutar por políticas públicas, é necessário que a gente tenha este direito para que a nossa comunicação comunitária seja mantida”, concluiu.

FONTE: Revista Viração.

Submit a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Share This