Jornal O Dia

Jornal O Dia

Para Arthur William, do Gomeia, “a pesquisa ajuda a Prefeitura, Governo do Estado e Ministério a pensar ações de fortalecimento da cultura na cidade. Os índices, comparados aos outros locais em que a pesquisa foi realizada, mostram a grande exclusão cultural da região”. E terá um papel fundamental no município: “as empresas da região irão ver que é muito mais importantes investir na cultura da Baixada do que na do Rio, pois há muito mais necessidade deste incentivo”. Fonte: Jornal O...
Jornal Extra

Jornal Extra

— O Gomeia vai reunir várias iniciativas que agitam a cena artística da Baixada Fluminense. Estamos seguindo uma tendência mundial de juntar grupos para potencializar projetos — completa o midiativista Arthur William, do Aguassu. Fonte: Jornal...
Jornal O Globo

Jornal O Globo

Empresa de soluções digitais, criada por Arthur William (à esquerda) e Thiago Ribeiro, é responsável por sites de cultura da região. Eles também desenvolvem aplicativos para celular como o Cultura BF, mapeamento amplo da cena local, e o RadCom. “É o único a reunir rádios comunitárias do mundo inteiro, com cerca de 150 catalogadas”, conta Arthur. FONTE: Jornal O...
Revista Viração (maio/2013)

Revista Viração (maio/2013)

Caxias TV: O mais novo meio comunitário da Baixada Fluminense A TV surgiu depois das aulas sobre ‘Cultura Digital’ realizadas no ano passado em Caxias, Rio de Janeiro Por Gizele Martins Revista Viração Divulgar a cena cultural da Baixada Fluminense é um dos objetivos de uma galera bem criativa e animada que está fazendo acontecer o mais novo meio comunitário da região, ‘Caxias TV’. São aproximadamente 25 pessoas, entre moradores de Caxias e de outros locais do estado. O coletivo surgiu depois do ‘Caxias Cultura Digital’, curso gratuito que funcionou durante o segundo semestre do ano passado na Lira de Ouro, organização cultural que existe há mais de cinco décadas em Caxias. Neste curso que durou um pouco mais de quatro meses, passaram aproximadamente 70 alunos, e a maioria deles eram moradores da Baixada Fluminense. Arthur William, jornalista morador de Caxias e idealizador do curso, detalha como surgiu a tv comunitária, “Os alunos começaram a transmitir eventos como um laboratório. Depois surgiu a ideia de criar a Caxias TV. E este é um grupo diverso, ele é formado por cartunistas, comunicadores, alguns participam do ‘Mate com Angu’, entre outros”, falou. De acordo com Lu Brasil, também moradora de Caxias, o interesse pelo conteúdo dado nas aulas de ‘Cultura Digital’ fez com que o grupo procurasse a querer aprender na prática. “O interesse pelo conteúdo e a fome de trocar ideias sobre este advento das novas tecnologias fez com que alguns alunos permanecessem. Tivemos a nossa primeira transmissão como experimento na própria Lira de Ouro. O ano de 2013 chegou e novas formas de transmissões foram surgindo”, disse. No dia...
Angola Press (07/03/2012)

Angola Press (07/03/2012)

Curso de rádio comunitária encerra após sete dias de formação Luanda – O curso sobre rádios comunitárias em Angola, dirigidos a jornalistas angolanos, terminou hoje, quarta-feira, depois de sete dias, no Centro de Formação de Jornalistas (Cefojor), em Luanda. O curso, leccionado por uma jornalista moçambicana e outro brasileiro, contou com a participação de profissionais das províncias do Kwanza Sul, Kwanza Norte, Malanje, Benguela e Bengo, além de Luanda. Em declarações à Angop, o director-geral do Cefojor, Albino Carlos, disse que durante o período citado realizou-se dois cursos, um dos quais de formação de formadores e outro para jornalistas e pessoas que pretendem, futuramente, trabalhar em rádios comunitárias. Segundo Albino Carlos, a formação visou criar condições objectivas e subjectivas para que, quando a legislação sobre rádios comunitários for aprovada, esteja tudo preparado para execução deste projecto. “E uma das condições é criarmos uma bolsa de formadores para dar continuidade a este processo de formação, tendo em conta a necessidade, do ponto de vista humano, da formação dos quadros e técnicos que vão actuar nesta área”, sublinhou. Por sua vez, o jornalista brasileiro Arthur Wlliam disse que a rádio comunitário é um complemento das radiodifusões públicas e comerciais, abordando assuntos diferentes que as grandes estações radiofónicas não têm condições de abordar por conta dos seus objectivos. No decorrer do curso, os participantes abordaram, entre outros, a importância social da rádio comunitária, conceito e diferença entre a radiodifusão pública, comercial e relativa a...